sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Minhas Aventuras na World RPG Fest 2016

Nos dias 17 e 18 deste mês (final de semana retrasado) rolou o World RPG Fest 2016, e eu estive por lá durante os 2 dias de evento.

O evento este ano foi bem compartimentalizado, isso é, as atividades estavam bem separadas em salas distintas. Isso dava a impressão de um espaço mais esvaziado, porque não se via as pessoas que participavam de atividades nas outras salas, mas de fato foi uma boa escolha: praticamente não houve problemas de uma mesa ou atividade atrapalhar a outra devido a barulhos e afins.

Mas, apesar de ter visitado quase todos os locais para dar uma olhada rápida, este ano eu participei de muito pouca coisa. Na verdade, de apenas 2 mesas e mais nada.

No sábado eu joguei o Torneio do Nono Mundo, uma aventura com múltiplas mesas de Numenera bancada pela New Order. Foi a primeira vez que eu joguei Numenera, e eu gostei bastante (apesar de que notei que eu ficaria meio frustrado mestrando Numenera - onde já se viu não rolar nenhum dado!).

 Meu personagem no Torneio do Nono Mundo.

A aventura era bastante interessante e divertida, mas eu tenho uma crítica a fazer em respeito ao Torneio do Nono Mundo: ele demorou demais. A aventura já começou atrasada, e acabou já bem próxima do encerramento do primeiro dia de evento. O resultado foi que não consegui participar de mais nada naquele dia - nenhuma palestra, nenhuma outra mesa de RPG ou mesmo boardgame. Se forem repetir a fórmula para o ano que vem, sugiro encurtarem o torneio, para não prender os participantes o dia todo em uma só atividade.

Já no domingo participei de uma mesa de Shadow of the Demon Lord, um jogo de dark fantasy baseado no sistema do D&D 5ªed, mas com alterações profundas.

Jogando Shadow of the Demon Lord.

Me surpreendi positivamente com o jogo, que confesso não esperava muito. As alterações do sistema em relação à atual edição do D&D aparentemente fazem o jogo funcionar muito bem para a premissa à qual se propõe. Infelizmente não pude ficar até o fim da sessão porque meu grupo de jogo não quis ir ao evento e eu ainda tinha uma aventura para mestrar para eles naquele dia (pois é, precisei sair mais cedo de um evento de RPG para ir jogar RPG).

Aquele momento em que você se vê sentado na mesma mesa em que um gorila e um cavalo...

Apesar de tudo, mesmo não conseguindo participar de muita coisa, ainda assim fui capaz de visitar todos os estandes das lojas e editoras, e através de conversas com uns e outros (algumas dias depois do evento) ficar à par de diversos lançamentos, como o livro básico de Dragon Age RPG pela Jambô, Shadow of the Demon Lord, Deloyal e Mutant Year Zero pela Pensamento Coletivo, e as nova edições de Rastro de Cthulhu, do livro básico de Savage Worlds, e Terra Devastada, Castelo Falkenstein, além de uma dúzia de suplementos de cenário para Savage Worlds e diversos party games pela Retropunk, Shadowrun pela New Order, e claro, a volta da revista Dragão Brasil (ainda que em um modelo um pouco diferente).

Um encontro de Igores!
(com meu xará Igor Moreno, autor de jogos como Space Dragon, Chopstick e BIRL!)

Também foi possível reencontrar vários amigos e conhecer pessoas novas, alguns dos quais dificilmente consigo ver fora do evento. E acabei recebendo dois projetos pessoais de amigos para avaliar e dar opiniões - o que só reforça o quanto a produção de RPGs está aquecida no Brasil.

Curiosamente, este ano também não comprei nada que não fosse de comer no evento. Acho que foi a primeira vez que saí do evento sem comprar nada. Mas isso não significa que não trouxe nada de volta comigo (aguardem uma próxima postagem a este respeito!).

Em uma avaliação final, mesmo com minha participação reduzida, o evento deste ano foi muito legal. Bem organizado, bem estruturado, cheio de novidades e com boas oportunidades de conhecer jogos novos. Já estou aguardando pelo evento do ano que vem!

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O Ídolo da Semana

No ídolo desta semana, um pouco da boa e velha heresia:

"Judas! Você encontrou 30 peças de prata."

O ídolo? Está lá, no escudo do Mestre.

p.s.: Espero que todos sejam capazes de entender que isso é apenas uma piada e não tem a intenção de ofender o credo de ninguém.

domingo, 25 de setembro de 2016

O Novo Ranger do D&D 5ªed

Dentre todas as classes da atual edição do D&D a mais criticada pelos jogadores é sem dúvida o ranger. Entre as diversas críticas estão coisas como o ranger não ter nenhuma habilidade que alguma outra classe não faça melhor, as habilidades de combate não escalonarem muito bem com a progressão de nível, e algumas das habilidades simplesmente não terem função prática alguma.

Não é a primeira vez que isso acontece. De fato, no D&D 3.5 uma das classes que mais mudou em relação ao D&D 3.0 foi o ranger - devido ao fato de que o ranger do 3.0 era muito ruim e sem graça em comparação com as outras classes do jogo. Começo a crer que ninguém na Wizards of the Coast gosta muito da classe ranger...

É verdade que muitas das reclamações dos jogadores tem a ver com "poder" puro e simples: a concepção de que mecanicamente o ranger é inferior às demais classes em combate. Eu não acho isso uma razão válida para descartar a classe como ruim se ela fizer o que se propõe. O problema é que o ranger do D&D 5ªed é realmente uma classe mal construída.

Vejamos por exemplo uma habilidade chamada Primeval Awareness, que a classe ganha no 3º nível: ela permite que, ao gastar um slot de magia, o ranger consiga pressentir a presença de criaturas dos tipos elemental, aberração, celestial, dragão, fada, demônio ou morto-vivo em um raio de 1.600 metros, sem no entanto conseguir discernir sua localização ou número. Ou seja, o ranger gasta uma magia para poder dizer "Companheiros, fiquem alertas: há um ou infinitos mortos-vivos em qualquer direção daqui a até 1km e meio de distância!". Sério, isso é uma habilidade completamente inútil.

Bom, o fato é que a WotC decidiu ouvir as críticas dos jogadores e disponibilizou uma nova versão da classe que tenta consertar os problemas apresentados na versão original. Segundo Mike Mearls, essa nova versão do ranger ainda é uma espécie de playtest e caso seja bem recebida pode vir a aparecer oficialmente em um suplemento futuro como uma opção à versão original da classe.

E aparentemente a equipe de design dessa vez acertou melhor na construção da classe. Em primeiro lugar, a habilidade Inimigo Favorecido agora confere um bônus de dano contra o tipo de criatura escolhido, como sempre foi no passado. Natural Explorer agora funciona com qualquer tipo de terreno, e não apenas no terreno favorecido (apesar de que eu faria diferente, nem 8 nem 80: ao invés de funcionar apenas em um terreno ou em todo lugar, eu permitira que o ranger escolhesse um novo tipo de terreno favorecido a cada nível ímpar, assim permitindo que o personagem fosse se familiarizando com novos habitats conforme fosse se aventurando). E ao invés de se chamar "arquétipo" (o nome mais preguiçoso que puderam encontrar), os tipos de especialização que o ranger pode escolher a partir do 3º nível agora chama-se "conclave" - muito mais adequado.

Há muitas outras mudanças, maiores e menores na classe, e uma das que eu mais gostei é que o ranger tornou-se a única classe de homem-de-armas sem receber um ataque extra no 5º nível por sua classe básica. Agora, o ataque extra é dado pela escolha do conclave - e caso você escolha o conclave das feras (focado no companheiro animal) quem ganha ataques extras é seu companheiro animal e não o ranger! Sem contar a tabela de Traits e Flaws para o animal, que é excelente.

A nova versão da classe pode ser baixada gratuitamente em PDF no site oficial do D&D, e vale à pena ser conferida.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Está no Ar a Pré-Venda de Senhores da Guerra!

Só lembrando que o Senhores da Guerra já está em pré-venda, e com 25% de desconto. Com isso o livro está saindo por R$ 29,90 na pré-venda, mas barato do que o inicialmente previsto.


Além disso, no ato da compra você já ganha o PDF para ir lendo enquanto aguarda o fim da pré-venda e a entrega dos livros físicos pela gráfica. Você pode garantir o seu exemplar na loja virtual da Redbox Editora.

E se você comprou a edição do livro vendido pela Ícaro Editora anos atrás e não recebeu, não esqueça de enviar um e-mail para redbox@redboxeditora.com.br com o assunto "Desconto Senhores da Guerra", encaminhando o comprovante de compra, para receber um desconto extra de 10%.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O Ídolo da Semana

O ídolo da semana:

The Joy of Painting!

A imagem acima é um montagem, claro, com uma imagem de Bob Ross e do Ídolo Demônio de Trampier - uma piada com o programa do pintor.

Para quem não sabe, Bob Ross foi um famoso pintor que possuía um programa de televisão chamado The Joy of Painting, onde ele dava aulas de pintura. O mote dele era que qualquer um era capaz de pintar.

Não sei se realmente qualquer um é capaz de reproduzir o ídolo de Trampier, mas certamente temos muitas versões dele por aí!

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Mais Um Preview de Senhores da Guerra

A Redbox Editora liberou mais um preview do livro Senhores da Guerra hoje:

Clica aí que aumenta e dá pra ler!

Senhores da Guerra é um suplemento de fantasia histórica para Old Dragon, e sua pré-venda começa daqui a 2 dias, em 15 de Setembro.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...