quinta-feira, 25 de agosto de 2016

#RPGaDay 2016: O Que Faz Um Bom Personagem?

Personalidade. Aquela coisinha que faz um alguém se diferenciar de outro alguém, mesmo que pro suas características mensuráveis ambos só possam ser descritos do mesmo modo. É a personalidade que faz com que um personagem completamente comum (digamos, um guerreiro humano totalmente básico de D&D) possa ser um personagem memorável, e ao mesmo tempo diferente de outro personagem com a mesma montagem estatística.

Uma personalidade distinta pode ser obtida para um personagem de muitas formas diferentes: um maneirismo, um jeito de falar específico que o jogador usa para o personagem, gostos pessoais, crenças e superstições que ele possui, e até mesmo um modus operandi completo.

Até mesmo coisas mais ligadas diretamente com a mecânica do jogo podem ser utilizadas para dar uma personalidade interessante ao personagem: uma arma ou equipamento predileto ou característico, ou alguma habilidade que o diferencie dos demais e da qual ele se orgulhe (ou se envergonhe, quem sabe!). Alguns jogos até mesmo trazem mecânicas que ajudam a criar uma personalidade para o personagem, como regras de vantagens e desvantagens, alinhamentos, honra, moralidade, etc. Mas o sistema no fim não importa, porque não é a existência de regras para isso no sistema que faz a diferença, mas sim o que o jogador faz com isso. Como o jogador usa o que tem em mãos é que define uma personalidade para o personagem. E é por isso que um personagem pode ser diferente e interessante mesmo em sistemas onde as regras diferenciam muito pouco dois personagens de um mesmo tipo.

O que acaba por ser mais importante para um personagem ter uma personalidade interessante é um bom jogador. E por “bom jogador” não estou falando em um jogador que domina as regras, apenas um jogador que está interessado em fazer do seu personagem um alguém interessante, um alguém com personalidade – provavelmente distinta da sua própria.

O que faz um bom personagem, de certo modo, é um bom jogador.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

#RPGaDay 2016: Com Qual Jogo É Mais Provável Que Você Presenteie Alguém?

Se eu for presentear alguém com um RPG, certamente será com um Old Dragon.

Existe uma grande chance desse presente ser para alguém que está começando no hobby, e se for esse o caso isso faz o Old Dragon ser uma escolha muito acertado: o jogo é em português, é barato (não só para eu que estarei presenteando, mas também para o presenteado, que poderá adquirir os suplementos mais facilmente), é fácil de aprender, é divertido, existem dezenas de aventuras e suplementos gratuitos disponíveis na internet, e possui uma comunidade de jogadores bastante ativa e disposta a ajudar. Além disso, o Old Dragon endossa o estilo de jogo que eu acho mais divertido: os retrojogos old school.

Caso o presente não seja para um iniciante, é bem possível que eu também presenteie com o Old Dragon, ou algum suplemento, ou mesmo seu irmão espacial, o Space Dragon. A menos, claro, que eu saiba que a pessoa em questão deseja muito um outro jogo. Afinal, presentes sempre devem agradar os presenteados!

terça-feira, 23 de agosto de 2016

#RPGaDay 2016: Compartilhe Uma de Suas Melhores Histórias de Má Sorte

Jogando a aventura básica da caixa do D&D da GROW (a famosa Dungeon de Zanzer), mas adaptada para as regras do AD&D 2ªed, aconteceu uma das cenas mais bizarras que eu já vi. O grupo era composto por um mago humano necromante, um elfo paladino (house rules comia solta na mesa), um ladrão humano, um clérigo humano de Tyr (o cara que peitou um lobisomem na mão), e um guerreiro humano (um NPC).

Em uma sala o grupo topa com 3 gnolls, e começa o combate. Enquanto parte do grupo dá conta de 2 dos monstros, o terceiro fica se digladiando com o guerreiro humano, sem nenhum efeito. Nem o NPC, nem o gnoll conseguiam acertar nenhum ataque. Nisso, o clérigo se junta ao combate, atacando o monstro pelo flanco e... erra o ataque.

O mago, que estava atrás de todo mundo, decide usar uma lança para tentar atacar em segunda linha, por trás do guerreiro humano, e atingir o gnoll. Rola o dado de 20 faces e.... 1 natural! Resultado: o mago se desequilibra, cai por cima do guerreiro, que rola um teste de destreza e.... falha crítica! Este, por sua vez, cai por cima do gnoll, que também rola um teste de destreza e também falha, indo pro chão junto dos outros dois.

Aproveitando o inimigo no chão, o ladrão pega sua espada e tenta apunhalar o gnoll no chão... mas erra! O paladino, vendo uma luta tão injusta para o gnoll, nada faz - decide que não ajudará o monstro, mas dará a ele uma chance mais justa.

O guerreiro começa a engatinhar por cima do monstro, tentando impedir que este use sua arma. O mago, faz o mesmo, engatinhando por cima do gnoll e do guerreiro caídos. O ladrão e o clérigo continuam tentando apunhalar o gnoll com suas espadas, errando e errando, mesmo com todos os bônus para atacar o inimigo no chão que mal consegue se mover.

O grupo ficou nessa situação cômica por umas 4 ou 5 rodadas mais, sem ninguém conseguir obter sucesso em nenhuma rolagem - nem os jogadores, nem o monstro! Só depois de muito rirmos da situação é que finalmente um dos personagens acertou um golpe de espada e matou o monstro para que a aventura pudesse prosseguir.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

O Ídolo da Semana

O ídolo da semana:

O ídolo de Trampier, sem tirar nem pôr.

A ilustração acima foi feita por um artista chamado asuorez.

#RPGaDay 2016: Evento de Jogo Supostamente Aleatório Que Se Tornou Recorrente?

Novamente sou obrigado a citar a campanha de GURPS Horror na Era Vitoriana. Como muitos devem saber, em GURPS há um sistema para definir o local do corpo atingido pelos ataques durante um combate. Você pode fazer isso deliberadamente, tentando acertar um ponto escolhido, ou determinar o local de forma aleatória. Nós geralmente usávamos essa segunda opção.

Eis que, apesar de ser aleatório, todos os personagens do grupo quase sempre atingiam seus inimigos na área 11 (referente à região da bacia e virilha). Estatisticamente, o 11 é um dos valores mais comuns de se obter numa rolagem de 3d6 (utilizada no GURPS), mas não é mais comum do que rolar um 10, e só muito pouco mais provável do que rolar um 9 ou 12. Ainda assim, 90% das vezes era um 11 que saia.

Assim, apesar de isso ser um evento totalmente aleatório, o grupo começou a ficar conhecido como os pervertidos que só atiravam na virilha dos inimigos.

domingo, 21 de agosto de 2016

PolyHero Dice - Wizard Set

Vocês lembram do PolyHero Dice - Warrior Set? Pois bem, já que aquela campanha foi um sucesso e os dados foram enviados aos financiadores (os meus ainda estão confinados nas catacumbas da Receita Federal, esperando a liberdade), a PolyHero Dice iniciou mais um financiamento coletivo: o PolyHero Dice - Wizard Set!

O kit completo deve se parecer com isso.

Assim como o Warrior Set foi um conjunto de dados temáticos para guerreiros, o Wizard Set é um conjunto de dados temático para magos. Todos os dados possuem formas exóticas que fazem referência à vida arcana: um raio (d4), uma bola de fogo (d6), um pergaminho (d8), duas poções mágicas diferentes (d10), uma varinha que mais parece um cetro (d12), e uma orbe (d20).
 
Mas como um brinde para os participantes do financiamento, cada kit será acompanhado também de um dado de 2 (d2) faces no formato de um grimório! Este d2 não deverá ser comercializado pelo fabricante no futuro.

Este d2 é bastante simpático!
Cada kit completo custa US$ 15,00 com frete fixo de US$ 4,00 para qualquer lugar do mundo. Além disso, há pacotes para kits extras, de 2 a 8 kits, que acabam saindo com um pequeno desconto.
 
Por enquanto os kits estão disponíveis em 6 cores diferentes, e mais devem ser liberadas durante o financiamento. Também deve ser liberado até o fim do financiamento algum conjunto de dados de um só tipo, como um kit com 4d6, ou 2d20, por exemplo.

Uma comparação do tamanho dos protótipos do Wizard Set com dados comuns.

Este é um financiamento relâmpago, de apenas 2 semanas. Como ele iniciou-se a alguns dias atrás, só restam 10 dias até o final do financiamento - que já bateu mais de 7 vezes sua meta inicial. Então se você deseja garantir seu PolyHero Dice - Wizard Set não espere muito e corra para participar do financiamento.

#RPGaDay 2016: A Mais Engraçada Interpretação Errada de Regra Que Já Ocorreu Em Seu Grupo?

Provavelmente foi um jogador de nossa campanha de GURPS Horror na Era Vitoriana quando comprou para seu personagem (por acaso, o mesmo personagem que matou um vampiro com um golpe de judô) a perícia Mount (que é a habilidade de ter sido treinado para ser montado por um cavaleiro) pensando que estava adquirindo a perícia Riding (que é a habilidade de cavalgar uma criatura).

Quando o mestre olhou a planilha e se deu conta dessa perícia, lembro que ficamos por um bom tempo debatendo sobre as condições nas quais o personagem desenvolveu a habilidade de ser montado, e como poderíamos utilizar essa habilidade tão pitoresca em nosso favor.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...