sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Faça Você Mesmo: Pinheiros

O Natal é uma ótima época para quem gosta de minitauras. E não é porque você pode pedir aquelas miniaturas que você estava querendo de presente para seus pais, irmãos, amigos, esposa, namorada, etc. (apesar de que você pode, se quiser), mas sim porque nessa época você encontra fácil muito material barato que pode utilizar para construir suas próprias miniaturas.

E em alguns casos, as miniaturas já estão praticamente prontas, necessitando quase nada de esforço para deixá-las prontas para o jogo. Hoje vou mostrar um exemplo que é exatamente assim: pinheirinhos de Natal que transformam-se em belos pinheiros nevados para suas miniaturas de RPG.

Materiais:

- pinheirinhos de Natal pequenos
- textura snow
- pincel
- um palito de sorvete ou espátula

Como fazer:

Tudo começa por procurar os pinheiros para comprar. Existem uns pinheirinhos de Natal que se usa para enfeitar mesas e aparadores, com cerca de 20cm a 30cm. É estes que vamos usar. Eles são uma peça única (isto é, não são de montar), tratando-se de um eixo de arame trançado com cerdas de nylon verde, fixado em uma base de plástico.

Eu comprei pinheiros em dois tamanhos:

Pinheiros (2) Os pinheiros ao lado de uma miniatura de Pathfinder, para escala.

A árvore de Natal maior tem cerca de 28,5cm e custou R$ 3,99. Já a menor, tem 20cm e custou R$ 2,99. Eu comprei duas de cada, o que me rendeu 4 árvores por menos de R$ 14,00 – ou seja, as 4 árvores saíram o mesmo preço da miniatura que está ali ao lado delas.

Como vocês podem ver na foto, geralmente estas árvores vem com uns enfeites bem feios colados nelas. Obviamente, vamos retirá-los. Os das minhas eram colados com cola-quente, então foi só puxar com cuidado, e usar a tesoura para cortar fora o excesso de cola, e estava tudo resolvido.

Pinheiros (4) Você pode guardar os enfeites para utilizar em outros projetos.

Pinheiros (10)As minhas 4 árvoresinhas de Natal juntas.

Como eu comentei antes, as árvores já estão praticamente prontas para servirem como miniaturas para os jogos, a única coisa que atrapalha são suas bases. No meu caso, as bases são de dois tipos diferentes, mas ambas são uma coisa de plástico estranha, que não passa nenhum realismo às árvores.

Uma possibilidade é tirar estas bases e trocar por outras, feitas por você mesmo, mas eu acho muito mais simples apenas modificá-las.

Pinheiros (12) Um close das bases. Definitivamente, não dá para deixá-las assim.

Você pode utilizar cola branca e areia para cobrir as bases, e então pintar para parecer terra, de forma similar ao que eu fiz nesta outra peça. Isso é especialmente adequado caso suas árvores sejam totalmente verdes. Mas como minhas árvores já eram naturalmente nevadas, optei por fazer as bases simulando montes de neve aos pés das árvores.

Para tanto, eu utilizei outra coisa que é bem mais fácil de encontrar agora no período de Natal: textura snow da Acrilex.

Pinheiros (16) Esta textura pronta de neve funciona melhor do que eu esperava.

A textura snow é uma massa acrílica texturizada pronta, ideal para simular neve. A da marca Acrilex existe em 3 tipos diferentes: neve, nevasca e neve glitter. Esse material é bem fácil de encontrar em lojas de artesanato esta época do ano, apesar de não ser tão comum no restante dos meses. Eu utilizei neste projeto o tipo “neve”, e paguei R$ 3,60 pelo pote, do qual só utilizei cerca de metade.

Não tem muito segredo aqui, apenas pegue a textura snow, que é uma massa pastosa com a consistência próxima à de um brigadeiro, e aplique sobre as bases das árvores. Utilize uma espátula ou um palito de sorvete para isso. Um truque para obter um resultado melhor é após a massa ter sido aplicada, bater sobre toda a superfície com as cerdas de um pincel, para reforçar a textura irregular da neve.

Pinheiros final 060 As bases já com a textura de neve.

Pinheiros final 041 O close de uma das bases em que coloquei o detalhe de uma rocha.

Certamente não é a melhor textura de neve do mundo, mas é bastante fácil de fazer, e gera um resultado visual bastante bom. Afirmo que o custo-benefício vale à pena.

Também é possível adicionar algusn detalhes extras às bases, como pedras e vegetação rasteira. Caso decida fazê-lo, aplique estes detalhes antes da textura snow. Eu coloquei umas pedras em duas das bases, apenas para dar uma variada nas peças.

Pinheiros final 034As quatro árvores juntas. 

E basicamente, é isso. Seus pinheiros já estão prontos. Se desejar, você poder aplicar verniz fosco nas bases, para dar maior resistência às peças.

Por menos de R$ 20,00 foi possível construir estas peças para um cenário representando um pedaço de uma floresta de coníferas em um inverno gelado.

Pinheiros final 023Um terrível encontro nas terras gélidas do norte! 

Pinheiros final 030 O rei dos gigantes de gelo surge na batalha.

Pinheiros final 026 O legal é que a natureza das cerdas de nylon permite que se encaixe miniaturas nelas, simulando personagens escalando a árvore.

Pinheiros final 067Um desentendimento entre um dos gigantes e seu rei vira a sorte a favor dos heróis! 

Além da facilidade de preparar estas peças, outra coisa boa é que, de quebra, você fica com umas peças legais para a sua decoração de Natal!

Pinheiros final 070 A decoração de Natal aqui de casa. E sim, nós temos muitos Playmobils!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

40 Anos de Aventuras!

O ano de 2014 marca os 40 anos de lançamento de um produto que me acompanha desde a minha infância, um produto que me levou a viver grandes aventuras cheias de fantasia pelos mais diversos mundos.

Não, não estou falando de D&D. Estou falando de Playmobil!

Eu tinha alguns bonequinhos Playmobil quando era criança e eles eram alguns dos meus brinquedos preferidos. E uma das coisas que sempre achei mais legal nos Playmobil é que eles existiam em uma enorme variedade de temas: astronautas, cavaleiros, cowboys, etc. Dava para criar aventuras de todos os tipos com eles, misturando todos estes temas.

Mas o tempo passou, e eu cresci. E casei. Mas vejam só vocês, não é que acabei casando com alguém que tem o mesmo apreço que eu pelos Playmobil? Acabou que hoje temos aqui em casa uma bela coleção de bonequinhos enfeitando as prateleiras.

Mas não esqueçamos que este daqui é um blog sobre RPG, e portanto esta postagem não está aqui à toa.

Aproveitando a montoeira de Playmobil que possuímos, quando eu estava mestrando uma aventura de Conan D20, decidimos usar as peças deles para montar os personagens do grupo. Não era nada com uma função mais prática, apenas para tirar fotos e ilustrar os personagens mesmo.

Mas o resultado ficou legal! Vejam as fotos:

noble_zamorianUma nobre zamorana. 

feiticeiro_picto_Um feiticeiro picto. 

barbaro_cimeriaUm bárbaro cimério.

feiticeiro_khitai Um feiticeiro de Khitai.

fighter_thief_corinthiaUm guerreiro/ladrão da Corinthia. 

pirata_reinos_negros Um pirata dos Reinos Negros.

grupo_normal E não poderia faltar uma foto coletiva do grupo!

No final, um dos jogadores mudou o personagem antes de começarmos a jogar de verdade, e o jogador do pirata dos reinos negros nunca chegou a jogar a aventura. Mas foi legal montar os bonequinhos dos personagens do grupo. Principalmente porque isso me permitiu juntar três coisas que me são caras desde minha infância: Conan, RPG e Playmobil!

E não posso deixar de observar como é curioso que 1974 é tanto o ano de publicação do D&D e consequentemente do surgimento oficial do RPG, o ano de lançamento dos bonequinhos  Playmobil, e também o ano de início de publicação da revista A Espada Selvagem de Conan nos EUA.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Release the Kraken!

Nada melhor do que as antológicas palavras de Zeus no clássico filme Fúria de Titãs (o original de 1981, não aquela porcaria de remake) para expressar como me sinto!

A alguns dias finalmente chegaram em minha casa as miniaturas do financiamento coletivo da Gifted Vision do qual participei ano passado. E adivinha o que vinha entre elas? Pois é, um kraken!

Kraken (2) Comprei várias das miniaturas sem pintura, para eu mesmo dar um retoque depois. Na verdade, o próprio kraken era pra ser sem pintura, mas os brancos acabaram e eles me mandaram um já pintado no lugar, sem custo adicional.

Kraken (4)Além do kraken, há muitas outras miniaturas bastante legais nesse pacote. Ali no canto inferior direito, há 4 lanças com cabeças espetadas, cujos topos podem ser trocados. Os 3 tipos de topo para as lanças são: cabeça de orc, crânio, e cabeça de mulher.

Além do kraken, há também miniaturas de sereias. Isso, em conjunto com as miniaturas da coleção Pathfinder Battles - Skull & Shackles, praticamente pede por uma aventura marítima!

Kraken (6) O kraken em detalhe. Uma coisa muito bacana é esse tentáculo gigante em separado. É muito útil para representar os tentáculos da criatura envolvendo uma embarcação e atacando por todos os lados!

Kraken (22) Eu também aproveitei para comprar algumas bases para as minhas conversões de miniaturas. São bases para criaturas voadoras e para montarias ou outras criaturas quadrúpedes.

Kraken (7) O kraken junto de algumas miniaturas mais conhecidas, para dar uma noção melhor de escala. O Cthulhu da linha Reaper Bones e o Gargantuan White Dragon da linha D&D Miniatures Icons eram as minhas duas maiores miniaturas até então. Assim, vocês podem notar como esse kraken é realmente grande!

No fim, este kraken acabou saindo melhor do que as minhas expectativas. Ponto pra Gifted Vision.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O Ídolo da Semana

Esta semana, temos um ídolo brazuca:

capa01 - David Lucena Conseguem ver a face do ídolo ali, no alto, sobre o arco da porta?

A ilustração acima é do grande David Lucena, com seu já característico e inconfundível traço.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Faça Você Mesmo: Broca Manual

Não, eu não vou ensiná-los como fazer uma broca manual. Na verdade, esta é uma daquelas postagens sobre ferramentas e acessórios úteis para o hobby do miniaturismo.

Fazia bastante tempo que eu procurava uma broca manual, mas não conseguia encontrar aqui na cidade. E os preços não me incentivavam a encomendar uma pela internet. Mas eis que, num golpe de sorte, encontrei o que eu procurava numa famosa loja de hobbys da minha cidade!

Broca manual 010 A tão procurada ferramenta!

A verdade é que esta ferramenta não deve ser tão difícil assim de encontrar na referida loja, mas acho que eu sempre dava azar e nunca havia uma à venda quando eu visitava o local.

Esta ferramenta trata-se de um simples cabo no qual encaixa-se uma broca pequena, e usa-se a força das mãos para fazer furos com ela. É uma ferramenta extremamente útil para furar plástico, madeira, ou metais macios – praticamente todos os materiais dos quais são feitas as miniaturas de RPG e suas bases.

Broca manual 013 O cabo, oco, guarda um conjunto de brocas de vários diâmetros.

Uma broca é indispensável para a pinagem de miniaturas. Pinagem é o ato de furar duas peças e introduzir um pino para ligá-las. No caso das miniaturas, o “pino” normalmente é um pequeno pedaço de arame duro.

Pinar peças é útil para prender miniaturas em suas bases com maior estabilidade, ou então para montar miniaturas com diversas peças, já que algumas partes insistem em não prender de forma alguma apenas com cola ou massa epoxi – seja porque a peça é muito pesada, seja porque é unida ao restante da miniatura por uma base muito estreita.

Broca manual 021 Um close da broca.

Tem quem prefira utilizar uma mini retífica, uma ferramenta elétrica, para fazer as perfurações para a pinagem. E realmente, em algumas situações, a mini retífica é muito mais prática, e principalmente, menos cansativa. Mas a broca manual é mais fácil de manipular, e por vezes permite uma precisão maior – o que é bom para usar em peças muito pequenas e delicadas.

Agora, graças a minha nova broca manual, eu finalmente consegui prender as asas numa miniatura que eu tenho a muito tempo:

Quimera (6)Finalmente: asas! 

Esta quimera esperou cerca de 19 anos para ganhar suas asas. Eu tentei fixá-las ao longo deste tempo de todas as formas possíveis, mas apenas a pinagem, que foi possível graças a minha nova ferramenta, conseguiu fazer o trabalho direito. Agora, minha quimera está finalmente pronta para receber sua pintura!

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

D&D 5ed: Os Perigos do Multiverso

Com o Dungeon Master's Guide quase despontando por aí, temos ainda alguns previews do livro sendo revelados. Nas últimas duas semanas foram mostradas algumas páginas dos capítulos que tratam de armadilhas, venenos, doenças, e também do próprio multiverso do D&D.

Um ponto interessante no capítulo de armadilhas é que eles lembraram de comentar que um bom roleplay é mais importante do que rolagens, e que portanto armadilhas podem ser detectadas e desarmadas, ou ao menos evitadas, através de uma boa descrição das ações dos personagens.

As armadilhas também são subdivididas em três categorias de periculosidade, para critérios de design.

O preview de venenos traz em seu início o final do capítulo de doenças, com alguns exemplos de doenças para serem usadas no jogo:

Goste ido modo como as doenças foram descritas, com tempo de incubação e outros detalhes bastante legais a serem acrescentados ao jogo. Já os venenos, apesar de não estarem ruins, eu achei que poderiam ter sido mais caprichados. Por exemplo, nenhum deles não causa seu efeito imediatamente, mesmo que vários tenham efeitos prolongados ou recorrentes.


Há também algumas regras simples para produção de compra de venenos. Mas o que mais me chamou atenção nesse preview é o princípio de um capítulo sobre loucura. Sim meus amigos, a base de um dos aspectos mais legais de Ravenloft estará no próprio DMG!




Infelizmente, estas páginas estão cortadas, mas ainda assim dá pra ter uma boa ideia do que elas trazem. Basicamente, uma visão sobre os vários planos de existência, seus tipos e características gerais, e uma breve descrição de alguns locais específicos no multiverso, como Sigil por exemplo.

E também há uma breve descrição dos diversos planos materiais primários dos vários cenários de D&D, como os mundos de Oerth (de Greyhawk), Krynn (de Dragonalnce) e Athas (de Darksun).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...