quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Monstros Perdidos: Rei dos Goblins - Barghest

monstros-perdidos-barghest E o segundo volume da série Monstros Perdidos foi lançado pelo estúdio Flying Ape – “Rei dos Goblin: Barghest”.

Este PDF de 10 páginas é de autoria de Rafael Beltrame, e traz os estranhos barghest – goblins metamorfos demoníacos vindos diretamente dos Nove Infernos para a sua mesa de Old Dragon!

Como da primeira vez, também foi feito um vídeo para divulgar o produto, cheio de curiosidades sobre a origem deste estranho monstro:

Monstros Perdidos – Rei dos Goblins: Barghest pode ser adquirido através da loja virtual da Redbox por apenas R$ 1,99.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O Ídolo da Semana

O ídolo desta semana também foi criado para o tributo The God With the Bowl:

Did You Hear Something - Todd McGowan “Você ouviu alguma coisa?”

A ilustração acima chama-se “Did you hear something?”, e é de autoria de Todd McGowan.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Faça Você Mesmo: Árvore Assombrada

Eu mestrei para o meu grupo uma aventura pronta de Old Dragon chamada A Árvore Morta dos Kobolds Infernais (que pode ser baixada gratuitamente aqui), e uma peça central à aventura é uma morta com feições humanas que é a entrada para o covil dos ditos kobolds.

Assim, eu decidi criar uma miniatura para representar a tal árvore, e até já postei uma foto dela aqui. Hoje vou mostrar a vocês como construir uma árvore como essa, e que pode também servir para representar algum tipo de árvore mal-assombrada, ou ente morto-vivo.

Materiais:

- tubo de papelão (pode ser de rolo de papel higiênico)
- papel toalha ou papel higiênico
- arame (opcional)
- massa de biscuit ou durepoxi (opcional)
- cola-quente
- tesoura, estilete ou faca de hobby
- cola branca
- cola-tudo (opcional)
- tinta acrílica
- verniz acrílico spray
- pincéis

Como fazer:

Primeiro de tudo, toda a estrutura da árvore é feita de um tubo de papelão. Você pode usar qualquer tubo de papelão que desejar, mas sugiro um de papelão fino, que é mais fácil de cortar e trabalhar – até porque a resistência do papelão em pouco afetará a resistência do produto final. Eu utilizei um tubo de papel higiênico vazio.

A primeira coisa a se fazer é preparar a “cara” da árvore assombrada, cortando os orifícios que simularão os olhos e boca no tronco da árvore. Não existe nenhum molde para isso, apenas faça como achar melhor, mas tente dar um ar irregular aos buracos (como se a aparência de uma “face” fosse totalmente por acaso).

Em seguida, é bom proteger estes orifícios reforçando suas bordas. Você pode fazer isso apenas passando uma boa camada de cola branca nas bordas dos olhos e boca, mas eu preferi delimitar estas bordas com uma fina camada de massa de biscuit, que conferiu uma boa rigidez a estes orificios.

Agora é hora de transformar este tubo de papelão em algo mais parecido com uma árvore, adiconando galhos e raízes. Ambos podem ser feitos apenas utilizando papel toalha (ou papel higiênico) molhado e torcido, recoberto por cola branca. O papel preparado desta maneira é fácil de moldar na posição que se deseja, mas é um pouco chato de trabalhar (ele gruda nos dedos o tempo todo).

Eu optei por um método diferente. Para as raízes, eu utilizei massa de biscuit para moldá-las em torno da base da árvore. A única razão para eu ter feito isso foi dar algum peso extra para a base da peça, aumentando sua estabilidade na mesa. Comecei com um anel de massa na base do tubo de papelão, e neste apliquei as raizes esculpidas também da mesma massa. Na hora de esculpir as raízes, lembre-se de que serão elas que darão estabilidade e equilíbrio à estrutura.

Para os galhos, como gosto de trabalhar com um “esqueleto” para me guiar, criei uma armação de arame, definindo suas formas e posições gerais. Prender o arame no tubo de papelão não é coisa muito simples, e para isso usei pequenas bolotas de massa e cola-tudo de secagem rápida.

Árvore Morta (4) O “esqueleto” da árvore, com a face já cortada e reforçada, as raízes e a armação de arame para os galhos.

Árvore Morta (7) Uma vista de cima da armação dos galhos.

Árvore Morta (9) E um foco na disposição das raízes.

Depois das armações de arame devidamente aplicadas, e a cola-tudo seca, aí sim utilizei a técnica do papel higiênico molhado e coberto com cola branca sobre o arame, moldando a forma final e dando volume aos galhos. Comparando as fotos, vocês poderão ver inclusive que apenas com o papel adicionei bifurcações aos galhos que não existiam no arame originalmente. Não utilizei massa para os galhos para não deixá-los muito pesados e desequilibrar a peça.

Use esta técnica do papel com cola branca também para corrigir o formato do tronco da árvore e dar volume nos locais em que você achar necessário.

Árvore Morta (11) Os galhos já com seu devido volume, graças ao papel com cola.

Árvore Morta (20) Uma vista de cima dos galhos.

Quando o papel com cola estiver completamente seco, é hora de aplicar a textura na peça. Para isso, vamos utilizar uma pistola de cola-quente, e a técnica de texturização do DM Scotty. Uma pistola de cola-quente utiliza bastões de silicone para derretê-los e utilizar este silicone derretido para colar coisas. Nós vamos usar o silicone para aplicar uma cobertura plastificada na peça toda.

A técnica é bem simples (mas eu aconselho assitir alguns vídeos do DM Scotty para observar como se faz): basta ir pressionando o gatilho da pistola e aplicando cola-quente na superfície externa da peça, enquanto realiza movimentos repetidos de vai e vem com o bico da pistola, criando uma superfície irregular e cheia de ranhuras com a cola-quente.

Talvez pareça um pouco estranho num primeiro momento, e um pouco difícil de ver se a cola-quente que você estiver utilizando for transparente, mas acredite, funciona. É importante também não deixar nenhuma área muito lisa, então não economize nos movimentos de vai e vem e crie muitas ranhuras.

A cola-quente possui mais de uma função aqui. Primeiro, ela serve para criar uma textura irregular, similar à casca de árvore, de forma simples e fácil. Segundo, sendo basicamente silicone plástico, ela irá plastificar e proteger a peça, tornando a estrutura muito mais resistente. E terceiro, a cola-quente também pode ser utilizada para conferir volume a partes da peça, corrigindo qualquer desagrado seu em relação à forma final da árvore. Principalmente, use a cola-quente para criar transições mais naturais entre o tronco e as raízes e galhos.

Quando tiver terminado com a cola-quente, a peça estará parecendo-se mais ou menos com isso:

Árvore Morta (23) Já parece uma árvore, mas ainda não convence muito…

Pintura:

Vamos começar com um primer preto. Queremos o interior da árvore completamente escuro, então aconselho utilizar um spray preto fosco para cobrir toda a peça, tanto por dentro quanto por fora.

Árvore Morta (24) Com o primer, a textura já fica bem visível.

Com o primer seco, apliquemos uma camada base. Mas atenção, vamos pintar apenas o exterior da peça, o interior deixaremos completamente preto, o que já alcançamos com a aplicação do primer. Como queremos uma árvore morta e sinistra, aconselho o marrom mais escuro que você encontrar. Eu utilizei a tinta dark chocolate, da Decorfix.

Em seguida, com a camada base já seca, fiz um drybrush com tinta marrom, um tom escuro mas ainda mais claro do que o utilizado na camada base. Então, por fim, um segundo drybrush de castanho claro, bem de leve, apenas para salientar as partes mais superficiais da textura.

O resultado final da minha árvore ficou assim:

Árvore Morta Agora sim convence como uma árvore!

Árvore Morta (31) Uma vista mais superior.

Pronto, a árvore morta dos kobolds infernais está pronta para ser explorada pelos aventureiros! E poderei utilizá-la para toda sorte de florestas assombradas!

Árvore e miniaturas 005A elfa e o tiefling se confrontam em frente à árvore assombrada.

Alguns últimos comentários a respeito da minha peça. As cores que eu escolhi foram para representar uam árvore velha e morte, de madeira escura. Mas nada impede que se utilize cores mais claras, ou então até mesmo que se construa uma árvore de madeira branca.

Também escolhi o tubo de papel higiênico porque ele possuia o diâmetro adequado para a peça que eu precisava: uma árvore grande o suficiente para dois aventureiros entrarem dentro ao mesmo tempo. O tamanho do tubo de papel higiênico é bom para representar árvores bem largas, como um carvalho, por exemplo. Se você precisar de árvores de troncos mais finos, ou quem sabe mais grossos, faça seu próprio tubo com papelão fino ou papel cartão, ou então corte o tubo de papel higiênico no sentido do comprimento e diminua seu diâmetro.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

D&D 5ed: Cambion e Devorador de Intelecto

Saiu mais um preview do Monster Manual, e desta vez o monstro escolhido foi o cambion. E eu estava certo nas minhas elucubrações: o cambion não é nada mais do que o meio-dêmonio retornando à sua denominação original.

Clique na imagem para ampliar.

A ilustração e as descrições do cambion, no entanto, não trazem quase nada de "meio" e muito de "demônio" para o meu gosto, o que para mim tira metade da graça da criatura. Algo obviamente demoníaco não passa de um demônio comum, mesmo que tenha sangue humano. Já algo que pode se passar por humano (ou semi-humano), mas que traz em seu âmago algo demoníaco, isso sim, é uma criatura verdadeiramente diferente e cheia de possibilidades de boas histórias.

A descrição da criatura também peca ao descrever todos os cambions como criaturas malignas. Este tipo de coisa deveria ser deixada ao critério dos mestres, resumindo-se apenas a uma sugestão de tendência mais comum. Afinal, de acordo com algumas versões da lenda, o próprio mago Merlin tratava-se de um cambion, e sempre é legal respeitar a inspiração literária do jogo!

Além deste, tivemos também um preview de uma criaturinha estranha, mas bastante legal: o devorador de intelecto.

Um dos monstros mais esquisitos do D&D.

A nova origem dos devoradores de intelecto até que ficou legal, sendo resultado de um ritual dos illithids que transforma um cérebro comum nesta criatura, e mantém a ligação que havia entre estas duas criaturas. No entanto, isso faz com que não existam mais os ustilagor, a forma larval dos devoradores de intelecto. Quem sabe eles sejam trazidos de volta como um monstro separado no futuro.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Monstros Perdidos: O Ácido do Ankheg

monstros-perdidos-ankheg O Estúdio Flying Ape lançou mais um novo material - “Monstros Perdidos: O Ácido do Ankheg”.

Disponível apenas em formato PDF, este suplemento de autoria de Igor Moreno, traz o famoso monstro conhecido como ankheg adaptado para Old Dragon em 8 belíssimas páginas.

Monstros Perdidos: O Ácido do Ankheg tem a intenção de ser o primeiro de uma série de mini-suplementos trazendo adaptações de monstros famosos para o Old Dragon.

Para divulgar o produto, a Flying Ape produziu um interessante vídeo cheio de curiosidades sobre a história editorial desta criatura:

Monstros Perdidos: O Ácido do Ankheg pode ser adquirido através da loja virtual da Redbox por apenas R$ 1,50.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

O Ídolo da Semana

O ídolo desta semana vem direto das páginas do Dungeon Crawl Classics RPG:
 
DCC RPG pg 27 Quem vai ter coragem de ir até lá?
 
Esta ilustração encontra-se na página 27 do módulo básico do jogo. Não é uma cópia exata do ídolo, e nem dá pra dizer se a ideia era realmente fazer uma homenagem à obra de David Trampier, mas é inegável que existe uma certa influência de uma ilustração sobre a outra.

World RPG Fest 2014 - Adquiria Seus Ingressos!

A esta altura todos já conhecem a World RPG Fest (carinhosamente abreviada como WRPGF), um dos maiores (e mais legais) eventos de RPG, card games, board games, video games, literatura fantástica e cultura nerd do Brasil.

Este ano, como já havia sido dito antes, a WRPGF irá acontecer um pouco mais tarde do que de costume, nos dias 08 e 09 de Novembro.

WRPGF 2014 No entanto, os ingressos já estão à venda (na verdade, já estão à venda fazem alguns meses), e você já pode garantir sua presença no evento.

Para comprar os ingressos, basta acessar o site e escolher em quais dias você quer participar. O valor dos ingressos (ao menos por enquanto, os valores podem aumentar mais próximo do evento) é de R$ 20,00 para um único dia, ou R$ 36,00 para os dois dias, mais 1kg de alimento não perecível. O pagamento pode ser realizado via cartão ou boleto bancário.

Como de costume, haverão diversas palestras, workshops, mesas de jogo, demonstrações, campeonatos, e convidados nacionais e internacionais. O convidado internacional deste ano é Bruce Cordel, que trabalhou entre outras coisas como o AD&D e D&D 3.0.

WRPGF 2014 - 2Este ano o evento acontecerá nas dependências da PUC-PR, que fica no seguinte endereço:

Rua Imaculada Conceição, nº 1155
Bairro Prado Velho
Curitiba-PR

Nos vemos por lá!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...